a seleção eficaz

30/03/2009 § 4 Comentários

braecu

Pode ser que tenha sido a altitude. Eu, quando cheguei, levava meu sedentarismo ao limite em qualquer caminhada. Pior se era uma subida, e em Quito são muitas. Se os franceses tem mais de um queijo para cada dia do ano, os quitenhos podem completar o calendário subindo diferentes ladeiras entre 1º de janeiro e 31 de dezembro.

Mas os 2.900 metros que afastam a capital equatoriana do nível do mar não podem ter sido o único responsável. Porque é uma questão de glóbulos vermelhos no sangue, que se ganham ou se perdem com o tempo, de acordo com as necessidades de oxigenação do corpo. Muitos jogadores do Equador não vivem na altitude. Jogam na Espanha, no México, no litoral. E, mesmo assim, correram muito mais que qualquer brasileiro.

Tanto que me senti identificado com a Seleção. Nas arquibancadas – brasileiro só – me vi cercado de equatorianos por todos os lados. Como uma ilha de resmungos silenciosos e pequenos atos de desesperação em meio a tantas esperanças de vitória. ¡Sí, se puede! – diziam, cantavam, gritavam. Eu não dizia nada. Estava amuado, inibido, quieto, tratando de ver e só ver. Por isso, não precisei defender-me como se defendeu a Seleção. Ambos, no entanto, eu e o time, estávamos em estratégia de sobrevivência. A zaga corria, Julio César defendia e eu sofria a cada ataque equatoriano.

Não ligo tanto para futebol a ponto de patrocinar uma discussão sobre as virtudes e defeitos desta ou daquela equipe. Muito menos para dar um murro na cara de alguém que torce pelo adversário. Sou muito mais como o mendigo de Eduardo Galeano, um pedinte do bom futebol, que percorre o mundo de chapéu estendido suplicando “uma linda jogada, pelo amor de deus”.

Faz tempo que não vejo uma obra de arte futebolística assinada por um gênio da camisa amarelinha. A última, que não me sai da memória, surgiu das chaleiras de Ronaldinho – então gaúcho – contra a Venezuela. Isso faz sei lá quanto tempo. O mesmo Ronaldinho que hoje é milionário e ontem mal tocou na bola.

Talvez, de tanto que as equipes europeias contratam nossos querubins mal começam a botar as asinhas de fora, nosso futebol tenha endurecido. A Itália retranquiera, que defendendo – e não atacando – conseguiu a última Copa, se refletiu no Brasil deste domingo: um time que não correu, que preferiu chutar a bola pro alto a tocá-la no pé e evitar os gols em vez de marcá-los. E – a cada falta, escanteio ou tiro de meta – quis deliberadamente matar o tempo e o torcedor.

Éramos poucos no estádio Atahualpa. Se fôssemos mais, poderíamos, talvez, dar voz ao gol de Julio Baptista, tão silencioso quanto chorado, e em silêncio comemorado. É horrível ter que engolir um grito. Ainda mais se esse grito é mais que um grito, se é o vômito das seguidas doses de amargura empurradas goela abaixo a cada ataque bem armado e mal sucedido do time adversário. Pior se o gol nasce de uma das três únicas vezes que a Seleção pôde chegar à meta equatoriana e interromper o dia de folga do goleiro Cevallos.

Odeio falar de futebol usando cifras de Wall Street. Tudo é produtividade hoje em dia, e por isso a Seleção é tão eficiente e tão triste. São onze profissionais muito bem pagos para manter a máquina em funcionamento, da maneira mais objetiva possível. O resto de nós, pobres torcedores, temos que nos contentar com os resultados – que, no fim das contas, ultimamente tem sido positivos.

Das quatro últimas Copas, o Brasil levou duas e chegou à final de outra. Quer coisa melhor?
 
Eu, sim, gostaria. A competição talvez perca muito de seu sentido quando se transforma em negócio. Quando entramos num jogo, todos queremos ganhar, claro. Mas a que preço? Preferiria um Brasil mais moleque, menos profissional e mais arteiro, menos eficiente, menos vencedor e mais espontâneo. Mais coletivo, sobre tudo. Que jogasse as eliminatórias como se joga uma pelada na praia, fazendo graça para impressionar as morenas que tomam sol.

Uma Seleção que transformasse o jogo num espetáculo de dribles e boas jogadas, e que desse menos importância para a bola na rede do que para o gol, o grande momento do futebol, que só é grande quando grande é o futebol que o antecede.

Bom seria ir ao estádio como quem vai ao teatro, ao cinema, ao circo. Para sofrer, chorar, rir, se irritar ou divertir por causa da obra, dos seus meandros, suas tragédias, dramas, altos e baixos – não por causa de um resultado.

O que foi a Seleção domingo? Uma boa defesa, sem dúvida. Perdi as contas de quantas vezes escutei equatorianos elogiando o porterazo Júlio César. Um ataque eficiente, talvez. Nesses termos, o exato oposto foi o Equador: uma defesa tão ruim que vazou em 33 por cento das oportunidades de gol do adversário, um ataque tão horrivelmente péssimo que poderia ter feito dez gols e acertou apenas um.

Porém, vi a alegria que cada jogada, cada toque de bola Tricolor provocava na torcida ao meu lado. E também a angústia do gol jamais marcado, o êxtase da meta por fim alcançada. Pagaram para ver um espetáculo – e viram. Torceram para um time que o tempo todo correu, tocou, buscou uma vitória – que não veio. E ninguém ficou triste.

– Antes nos hacían bailar a nosotros, hoy les hicimos bailar a ellos.

Simples assim. Enquanto isso, eu confiava na salvação brotada dos pés de algum atacante brasileiro, de Luís Fabiano, de Ronaldinho, de qualquer um desses cidadãos apáticos que, num momento de inspiração, pudessem driblar um ou dois ou três e de qualquer maneira balançar a rede. Aconteceu. Mas, e daí?

Talvez no futebol os brasileiros sejam como na política: vivem – ou morrem – esperando que o messias tire o país do buraco, seja com um gol ou um governo. Os messias aparecem, sempre aparecem, goleiam ou governam, mas tudo continua igual na próxima partida, no próximo mandato e principalmente na torcida, que volta a esperar o surgimento de outro salvador. E assim vamos: dando vexame nisso, servindo de exemplo naquilo, mas sempre – sempre – classificando para a Copa do Mundo. (cc)

Anúncios

§ 4 Respostas para a seleção eficaz

  • Cesar Breda disse:

    SHOW DE BOLA TADEU !!!
    ADOREI O ARTIGO… PARABÉNS, VC ESTÁ ESCREVENDO MUITO…
    BEIJO

  • Fernando disse:

    Boa reflexão. E concordo: muito mais interessante que ver seu time vencendo é ver seu time jogando com VONTADE de vencer, dando o melhor de si e, se possível, conseguindo se divertir ao fazer isso.

    Não sou um grande torcedor de futebol (até hoje tenho dificuldade pra reconhecer um impedimento…), mas outra coisa que me incomoda – não só na seleção brasileira, mas também nos torcedores – é uma certa postura de superioridade, subestimando as seleções menores e com menos vitórias no currículo. Além de ser uma atitude besta, porque muitas vezes os times pequenos pegam os grandes de surpresa exatamente porque os grandes não deram a devida atenção a eles, é uma demonstração de arrogância, coisa que não deveria existir nos esportes, onde a humildade e o respeito mútuo (e por respeito mútuo, não falo só apertar as mãos no começo e no fim do jogo, mas saber levar cada adversário a sério e enfrentá-lo como enfrentaria o melhor time do mundo) deveriam nortear os jogadores, na minha opinião.

    Em todo caso, parabéns pelo ótimo texto! Mais um entre tantos já publicados nesta página, por sinal.

  • Ed Woiski disse:

    Matéria xuxu beleza.
    Abração rapaz!

  • alexandre mussolini disse:

    hum, eu precisava ver futebol.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento a seleção eficaz no Latitude Sul.

Meta

%d blogueiros gostam disto: